sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Cotidiano


Eu sei como você se sente. Você acorda todos os dias antes de amanhecer, a realidade lhe é trazida pelo despertador de cabeceira, você acorda cansado, todos os dias. Você não se lembra qual foi a última vez que sonhou dormindo, que sonhou acordado, você nem percebe mais o quanto está condicionado à rotina anti sonhos. Você se levanta sem perceber, automaticamente. Você toma um café amargo, joga água no rosto. Você caminha pelas ruas, embaixo do sol, embaixo da chuva, embaixo de uma falta de vontade imperceptível, de tão rotineira que é. Você espera o transporte coletivo, você ocupa menos espaço do que a física de ocupação de corpos explica, suas pernas doem, seus braços, seu ego. Você trabalha para alguém que nem sabe o seu nome, você é um número, um crachá, uma folha de ponto, seu potencial é desperdiçado, sua função é produzir, sua meta é produzir resultados, eles nunca te deixam esquecer dos resultados. Você passa dois terços do seu dia ocupado com expectativas coorporativas, você nem sente mais os efeitos do tempo no seu corpo cansado, você tem marcas novas no seu rosto, passaram-se dez, quinze, trinta anos. Você volta para o seu lar, você tem contas, impostos, saldos, dívidas, uma hora de pay per view. Você é casado com uma mulher que nem te olha mais nos olhos, você se lembra que antigamente existia amor, você se lembra que o amor acabou quando seu corpo sentiu necessidade de outro corpo, ela te lembra disso todos os dias. Você tem filhos, o seu legado: ela: só quer saber de falar ao telefone e do namorado do colégio, ele: só quer saber de videogame e das revistas que você escondeu a todo custo. Quatro estranhos dividindo o mesmo teto, quatro estranhos que mal se falam, há anos. Você joga futebol aos domingos, você os chama de amigos, mas eles não sabem que quando você corre atrás da bola você quer correr o mais rápido que pode, você quer fugir, você quer gritar. Você não grita, você é homem feito. Você não sabe como mudar o presente, não sabe o que esperar do futuro, não sabe o que fazer com o passado.
Você simplesmente não sabe.

Eu sei como você se sente.




Ouvindo: I'm going slightly - Queen

Um comentário:

Alexandre Resende disse...

PQP!!!! esse texto é foda Fê! ...

Seja lá o que vc estava pensando fez muito bem ...

Fique bem mulher!

bjo