quarta-feira, 14 de abril de 2010

J.


Medo. Foi a primeira coisa que eu senti quando você me despiu emocionalmente em menos de cinco segundos de conversa. Foi a primeira vez que botei os olhos em alguém e quis me esconder, foi a primeira vez que eu botei os olhos em alguém e me senti frágil como uma criança assustada. Colo. Sem entender corri para o seu.
Bebemos, fumamos, conversamos como velhos conhecidos, a noite foi longa, longa o suficiente para me fazer esquecer como era a minha vida antes de você aparecer na minha porta e me tirar da minha posição de defesa. Demorei para entender tudo aquilo. Só sabia que não podia deixar você ir embora. E não deixei. Te levei para a minha casa, para o meu mundo, dois dias, frio, cobertas, compras, conversa, coca zero, chocolate, almoço especial. Eu me lembro como se fosse ontem daquela noite e desde então agradeço todos os dias pela noite que me trouxe você.
Você me deu apoio, suporte, você acreditou em mim quando nem eu acreditava. Você conheceu meu coração quando eu ainda tinha dúvidas do que se passava nele. Você é um dos meus pilares e eu te agradeço por você deixar eu ser um dos seus, por compartilhar tanta coisa comigo.


Minha guia, minha mestre, minha amiga, meu yang. Eu te amo.

3 comentários:

Praguejento disse...

só consigo olhar essa foto e pensar: vai pondo na minha boca.

hahahaha!

ficou lindo o texto.

Mariana N. disse...

por que vocês não casam logo?

cowy disse...

nhóin, pega e vai pondo na minha boca. :)

expressarei minha opinião acerca da sua pessoa no seu post.